CÂNCER DE MAMA: não morri...nem de medo!: Uma década depois... (Portuguese Edition) por Marina da Silva

CÂNCER DE MAMA: não morri...nem de medo!: Uma década depois... (Portuguese Edition)
Titulo del libro : CÂNCER DE MAMA: não morri...nem de medo!: Uma década depois... (Portuguese Edition)
Fecha de lanzamiento : November 27, 2016
Autor : Marina da Silva
Número de páginas : 69
ISBN :
Editor :

En esta página puedes descargar el libro CÂNCER DE MAMA: não morri...nem de sin registrarte. ¡Descarga gratis a alta velocidad en formato epub, fd2, pdf!


Marina da Silva con CÂNCER DE MAMA: não morri...nem de medo!: Uma década depois... (Portuguese Edition)

Em Novembro de 2001, do meio do nada encontrei um caroço na mama direita. Em 2002 comecei uma corrida maluca em busca da cura de um carcinoma invasivo na mama D. Foi um pesadelo horrível, onze meses para ser exata, entre exames para diagnóstico do câncer na mama, cirurgia radical para extirpar o tumor e não deixar rastro na axila, reconstrução da mama, seguida por quimioterapia, radioterapia, hormonoterapia, fisioterapia e psicoterapia. Deixei o medo me dominar completamente e transformei tudo que já estava uma merda, numa merda maior deixando o medo me paralisar e me possuir e me jogar no fundo do poço! Uns três anos de terapia só para sair do quadro agudo, grave, moderado e mais uns dez anos para chutar o medo para o beleléu e viver sem o fantasma do retorno da doença e aceitar tudo, começando pela doença, cicatrizes, metástases psicológicas, altíssima baixa autoestima! E foi através da escrita de um novo diário que enfrentei estes dez anos de negação, culpa, baixa autoestima e medo do retorno da doença! E como no primeiro livro Câncer de mama: de como quase morri...de medo resolvi publicar e compartilhar as trapalhadas em que andei me metendo nestes últimos dez anos! Que minha experiência e vivência lhe sirva como mau exemplo de enfrentamento dos perrengues da vida e lhe faça refletir sobre o medo, a negação, o não enfrentamento do viver a vida nos momentos mais difíceis. Não alego insanidade nem ausência de auxílio psiquiátrico e psicológico para o meu destempero, estou sendo boazinha, quase matei meio mundo, mas alego a inexistência dos maravilhosos grupos de apoio virtual nas redes sociais como Facebook e blogs para me ajudarem naquela época como o fazem na atualidade. Hoje participo de vários grupos de apoio e louvo a ajuda essencial que estes dão aos pacientes de perrengues graves!